Qual atividade física é indicada para cada fase da vida?

A atividade física é essencial em qualquer faixa etária, sobretudo, em um período de explosão dos índices de obesidade em todo o Brasil. De acordo com relatório conjunto da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e da Organização Pan-americana de Saúde (Opas) anunciado neste ano, mais de 50% dos brasileiros está em condição considerada sobrepeso, enquanto que a obesidade já é uma realidade para 20% da população.

Deste modo, é essencial entender que não se trata da busca por um corpo perfeito, mas da manutenção da integridade física e mental, visando a reduzir as chances de desenvolver doenças graves, como câncer, hipertensão, problemas de coração, acidente vascular cerebral (AVC), diabetes, entre outras.

Vale lembrar que não existe idade mínima ou máxima para começar a praticar exercícios físicos ou modalidades esportivas, basta adequar as exigências à faixa etária do praticante.

Atividades físicas para crianças

A obesidade infantil é um problema cada vez mais presente em todo o Brasil. Conforme informações do Ministério da Saúde, aproximadamente 10% das crianças entre 0 e 5 anos podem ser consideradas obesas, o que equivale a 345 mil crianças ao todo.

O grande vilão são os péssimos hábitos alimentares, mas a redução das atividades físicas em relação às outras gerações também já foi constatada. A falta de espaços públicos e seguros nas cidades, a redução da área das moradias, além da grande popularidade de jogos eletrônicos, que exigem quase nenhum movimento físico, são fatores que contribuem para este fato.

O ideal é contar com atividades recreativas que façam com que a criança se movimente, sem a exigência de perfeição nos movimentos ou grande gasto calórico.
Cerca de 10 minutos diários de brincadeiras ao ar livre, tais como os bons e velhos esconde-esconde, pega-pega, cabra-cega, bola e roda, são suficientes para que a criança não sofra com o aumento de peso. Frequentar escolinhas esportivas ou atividades recreativas, ministradas por profissionais qualificados, também são opções.

Atividades físicas para adultos

Os jovens e adultos brasileiros sabem que precisam se exercitar, mas não encontram tempo. Pelo menos essa é a conclusão apresentada pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2015, realizada a partir de entrevistas com pessoas acima dos 15 anos.

O estudo apontou que, aproximadamente, 40% dos brasileiros tem o hábito de realizar alguma atividade física. A pesquisa também mostrou que menos da metade da população não se declarou sedentária no ano anterior, o que corresponde a 61 milhões de pessoas que efetuaram algum esporte com regularidade.

Qualquer exercício físico praticado por 30 minutos, três vezes por semana em ritmo moderado, é suficiente para trazer incríveis benefícios à saúde.
Pode-se escolher o futebol, o vôlei, a corrida, o ciclismo, a musculação, a natação, a ginástica, a caminhada, o handebol, o levantamento de peso, o treinamento funcional, a dança, esportes de aventura ou qualquer outro exercício que seja do seu interesse e lhe dê vontade de dar continuidade.

Atividades físicas para idosos

A atividade física na terceira idade é de vital importância para aprimorar a parte aeróbica, o senso de equilíbrio, a flexibilidade do corpo e também fortalecer os principais grupos musculares.


Segundo o Centro de Estudos do Envelhecimento, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a opção por uma atividade física deve contar com o aval de um médico de confiança.

A caminhada, a natação, a hidroginástica, o ciclismo, a yoga, o pilates e a musculação, contando com a supervisão de um profissional qualificado, são perfeitos para quem já passou dos 60 anos.

Por mais que as facilidades oferecidas pela vida moderna nos empurrem para a imobilidade, o corpo humano não foi concebido para ficar parado. É importante ter isso em mente para colocá-lo em movimento, em todas as fases da vida.

Imagem: Freepik.

Atividade física para quem tem dor nas costas

A atividade física pode amenizar as dor nas costas e até mesmo fazer parte do tratamento de doenças da coluna. Estima-se que aproximadamente 80% das pessoas sofram, em algum momento da vida, com dores em decorrência de problemas na coluna, como Lombalgia ou Hérnia de Disco.

Especialistas em coluna recomendam a prática de atividade física regular para fortalecer e estabilizar os músculos que a sustentam. Mais fortes, os músculos suportam melhor o peso do corpo e, com isso, a coluna é menos exigida. A melhor sustentação protege a estrutura vertebral e, com isso, menores as chances de desenvolver ou piorar as dores nas costas.

Se as dores nas costas já estiverem presentes, é importante consultar um médico sobre qual atividade física é indicada para o seu caso específico. Tendo esta definição, não esquecer de realizar as sessões de alongamento antes e depois de cada treino para evitar lesões nos músculos ou estiramento. A supervisão de um educador físico também é recomendada, a fim de que os exercícios sejam feitos corretamente.


É essencial ressaltar que a atividade física é recomendada como medida preventiva e de tratamento. Durante as crises, os exercícios devem ser suspensos.

Natação e Hidroginástica

Em função de serem exercícios de baixo impacto, protegerem as articulações e de contribuirem para o fortalecimento da musculatura, a Natação e a Hidroginástica são recomendados para quem apresenta dores nas costas.

Yoga e Pilates

Por promoverem o aumento da força, da flexibilidade e melhor postura, a Yoga e o Pilates são atividades recomedadas para quem tem Hérnia de Disco. A parte de alongamento destas atividades também é recomendada para aliviar os sintomas da Lombalgia.


Caminhada

A caminhada feita com o uso de um tênis com bom amortecimento é recomendada como exercício para quem tem dor nas costas.


Musculação

A musculação é um bom exercício para fortalecer a musculatura das regiões abdominal e lombar, que suporta grande parte do peso do corpo.



Imagem: Freepik

A importância da atividade física

Nem apenas para garantir o emagrecimento e tampouco para promover o ganho de massa muscular desejado. Na verdade, a importância da atividade física ultrapassa os dois principais objetivos daqueles que, hoje em dia, optam por se inscrever em uma academia ou praticar uma modalidade esportiva.

De fato, o exercício físico constante é fundamental para que o seu corpo e a mente possam funcionar perfeitamente e, por conseqüência, afastar o risco de doenças graves, como problemas cardíacos, diabetes, pressão alta e obesidade.

Atividade física é vital para combate da obesidade

Afinal, a obesidade vem crescendo rapidamente entre os brasileiros. Prova disto é que um a cada 5 brasileiros é considerado obeso. Cerca de 50% da população ultrapassou o peso ideal indicado, de acordo com números apresentados pelo Ministério da Saúde em 2016.


Um levantamento feito pela Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) apontou que, na última década, a tendência de obesidade no Brasil cresceu 60 p.p., passando de 11,8% para 19% no ano passado. Esse aumento também foi registrado em quem está acima de peso, que passou de 42% para 53%, em apenas dez anos.

Conforme a avaliação do Ministério da Saúde, essa explosão de obesidade no Brasil se deve a diversos elementos, como, por exemplo: genética, falta de sono de qualidade e desequilíbrio alimentar.

Neste cenário, a prática de atividade física, além de solução, é também prevenção. Isso acontece porque os exercícios ajudam a equilibrar o índice de glicose no sangue, diminuindo o risco de desenvolvimento de Diabetes, combatendo o envelhecimento precoce e até fortalecendo a massa óssea.

Importância da atividade física para todas as idades

Definitivamente, a atividade física possui relevância para todas as faixas etárias e é possível encontrar modalidades que se encaixem perfeitamente no seu gosto, orçamento, tempo e condicionamento.

Um exemplo é a natação que pode ser praticada a partir dos 24 meses (desde que conte com o acompanhamento de pais e professores capacitados), jovens, adultos e, sobretudo, por idosos. Afinal, a natação oferece riscos mínimos para as articulações e os grupos musculares em função da ausência de impacto e redução do peso corporal na água.

Ao encontrar uma atividade que se ajuste totalmente ao seu cotidiano, o cidadão consegue se afastar do arriscado grupo dos sedentários, pessoas que não efetuam nenhum exercício no dia a dia. Vale lembrar que o sedentarismo é um fator de alto risco para o surgimento de males ao coração.

Conforme dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), apenas meia-hora de atividade física diária e moderada, aliada a uma alimentação equilibrada, poderia impedir mais de 260 mil mortes todos os anos em função de enfermidades como câncer, doença coronariana e acidente vascular cerebral (AVC).

Por isso, a Sociedade Brasileira de Cardiologia e o Departamento de Cardiologia da Associação Paulista de Medicina (SOCESP) indicam que as melhores alternativas são aquelas atividades que mexem com os principais músculos do corpo, tais como a caminhada, a corrida, o ciclismo e a natação.

No entanto, a Socesp ressalta que é necessário sempre respeitar os limites do corpo. A energia da movimentação deve ser confortável, sem que a pessao se sinta ofegante ou com dificuldade para respirar. Sempre respeite o ritmo do seu corpo!

Créditos da imagem: Freepik.