imagem dos pés de um corredor de rua

A importância da atividade física

Nem apenas para garantir o emagrecimento e tampouco para promover o ganho de massa muscular desejado. Na verdade, a importância da atividade física ultrapassa os dois principais objetivos daqueles que, hoje em dia, optam por se inscrever em uma academia ou praticar uma modalidade esportiva.

De fato, o exercício físico constante é fundamental para que o seu corpo e a mente possam funcionar perfeitamente e, por conseqüência, afastar o risco de doenças graves, como problemas cardíacos, diabetes, pressão alta e obesidade.

Atividade física é vital para combate da obesidade

Afinal, a obesidade vem crescendo rapidamente entre os brasileiros. Prova disto é que um a cada 5 brasileiros é considerado obeso. Cerca de 50% da população ultrapassou o peso ideal indicado, de acordo com números apresentados pelo Ministério da Saúde em 2016.


Um levantamento feito pela Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) apontou que, na última década, a tendência de obesidade no Brasil cresceu 60 p.p., passando de 11,8% para 19% no ano passado. Esse aumento também foi registrado em quem está acima de peso, que passou de 42% para 53%, em apenas dez anos.

Conforme a avaliação do Ministério da Saúde, essa explosão de obesidade no Brasil se deve a diversos elementos, como, por exemplo: genética, falta de sono de qualidade e desequilíbrio alimentar.

Neste cenário, a prática de atividade física, além de solução, é também prevenção. Isso acontece porque os exercícios ajudam a equilibrar o índice de glicose no sangue, diminuindo o risco de desenvolvimento de Diabetes, combatendo o envelhecimento precoce e até fortalecendo a massa óssea.

Importância da atividade física para todas as idades

Definitivamente, a atividade física possui relevância para todas as faixas etárias e é possível encontrar modalidades que se encaixem perfeitamente no seu gosto, orçamento, tempo e condicionamento.

Um exemplo é a natação que pode ser praticada a partir dos 24 meses (desde que conte com o acompanhamento de pais e professores capacitados), jovens, adultos e, sobretudo, por idosos. Afinal, a natação oferece riscos mínimos para as articulações e os grupos musculares em função da ausência de impacto e redução do peso corporal na água.

Ao encontrar uma atividade que se ajuste totalmente ao seu cotidiano, o cidadão consegue se afastar do arriscado grupo dos sedentários, pessoas que não efetuam nenhum exercício no dia a dia. Vale lembrar que o sedentarismo é um fator de alto risco para o surgimento de males ao coração.

Conforme dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), apenas meia-hora de atividade física diária e moderada, aliada a uma alimentação equilibrada, poderia impedir mais de 260 mil mortes todos os anos em função de enfermidades como câncer, doença coronariana e acidente vascular cerebral (AVC).

Por isso, a Sociedade Brasileira de Cardiologia e o Departamento de Cardiologia da Associação Paulista de Medicina (SOCESP) indicam que as melhores alternativas são aquelas atividades que mexem com os principais músculos do corpo, tais como a caminhada, a corrida, o ciclismo e a natação.

No entanto, a Socesp ressalta que é necessário sempre respeitar os limites do corpo. A energia da movimentação deve ser confortável, sem que a pessao se sinta ofegante ou com dificuldade para respirar. Sempre respeite o ritmo do seu corpo!

Créditos da imagem: Freepik.